Alunos do segundo ano do CESS apresentam teatro sobre racismo em São Sepé


O dia 20 novembro é o dia da Consciência Negra, data para lembrar da história dos negros no Brasil e reforçar a luta por igualdade racial. Para celebrar e promover reflexão acerca do racismo estrutural presente na sociedade, a turma 25, do segundo ano do Colégio Estadual São Sepé (CESS) apresentou uma peça de teatro sobre racismo escancarado e velado.

A peça multidisciplinar, foi montada pela professora de literatura, Adriana Aires, que trouxe os poemas e músicas sobre representatividade e literatura negra. A professora de português Mirieli Fontoura, construiu o roteiro e o texto baseado nas obras literárias indicadas para peça. Já o professor de geografia, Fabiano Scherer, cooperou com a abordagem geográfica e as referências do racismo capitalista.

Talentosos, os jovens alunos deixaram a timidez de lado e mergulharam nos personagens. Com falas necessárias para reflexão racial, os adolescentes reproduziram falas preconceituosas que são repetidas no dia a dia. “Os negros são os mais racistas”, “eu não namoraria um negro ou uma negra”, “o cheiro da pele preta é mais forte”, são exemplos de frases que as pessoas falam no cotidiano e que machucam e escancaram o racismo da sociedade, que foram trazidas em diálogos naturais na peça.

As referência a Victória Santa Cruz e Ferreira Gullar levantaram questionamentos e mexeram com a zona de conforto de quem assistiu o trabalho.

Além das falas, o teatro trouxe dados que problematizam o preconceito, como por exemplo, a violência policial e a luta por uma vaga nas universidades. De acordo com último senso da educação, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Educação, o INEP, apenas 2% dos mais de 8 milhões de alunos matriculados no ensino superior se declararam negros.

A peça contou com o apoio de dois alunos de outras turmas. Gabriel Cassol, da turma 21, que trabalhou nos bastidores e da Jhenifer Aires da turma 24, que atuou de forma brilhante no palco recitando poemas sobre a importância da representatividade negra.

 

 

Comments are closed.