Obino

Religião não é comércio – Handrey Lima

 

Te faço uma pergunta: você vive de religião ou você vive para alguma religião? Ou melhor, você utiliza a religião para um propósito magnífico que seja, por exemplo, desenvolver seus pensamentos e mediunidade, aprender a caridade e, acima de tudo, se tornar um ser encarnado mais evoluído e próspero?

A diferença é nítida. Vejo cada vez mais presente pessoas que estão vivendo de religião. Quando digo vivendo, me refiro ao sustento, seja com gasolina, comida, luz, água, aluguel, coisas próprias e não dedicadas apenas ao seu próprio terreiro ou centro religioso.

Percebam que a fé move milhões, não apenas milhões em pessoas, mas sim milhões em preço, dinheiro, status e poder. Estão perdendo o senso de humanidade e usufruindo da fé alheia, como se isso fosse algo normal. Ontem lendo um texto por exemplo, percebi que no início da Umbanda, todo o conhecimento era passado de Pai pra filho, mestre pra discípulo, Orixás para guias e de guias para humanos. Assim se iniciou toda a vertente Umbandista, através do conhecimento desenvolvido dentro de terreiros, não transformando terreiros em comércio.

Sou totalmente contra qualquer pessoa que utiliza de um lugar considerado religioso e sagrado para tirar proveito em cima e acima de tudo, ganhar dinheiro. Olhem aos seus lados e vejam que existem pessoas que fazem isso, não aceitem isso, não se prendam a isso. A religião ou doutrina deve acolher a todos, esse é seu propósito maior, acolhimento, harmonia e caridade. Sou um admirador da Umbanda e doutrina espírita, não um médium ou frequentador de terreiros, nem de centros espíritas, e por isso analisando de fora, percebo que as pessoas se tornam vulneráveis, se tornam manipuláveis por palavras e adorações a divindades, não que isso seja errado, mas no momento em que você necessita abrir sua carteira para seguir adorando algo, acredito que seu coração e mente não foram abertos, apenas explorados.

Analise, reflita, perceba que o universo é tão magnífico que possuímos a oportunidade de escolhermos aonde queremos estar, se teu Mestre te proíbe ou critica as demais filosofias, doutrinas e linhas, reveja seus conceitos sobre duas palavras chamadas: evolução e conhecimento.

 

 

Handrey Lima

 


Os textos/artigos/opiniões publicados em O Sepeense são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem a opinião do jornal.

 

Comments are closed.