Começa amanhã, em Porto Alegre, o julgamento da tragédia na Boate Kiss

0
222


Começa amanhã o maior júri popular da história do Rio Grande do Sul. Depois de oito anos, dez meses e três dias de espera, os dois sócios da boate kiss, Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann,  o músico Marcelo de Jesus do Santos e o produtor cultural Luciano Bonilha, serão julgados pelo incêndio na boate, que deixou 242 mortos e mais de 600 feridos, no dia 27 de janeiro de 2013.

Em uma campanha virtual promovida pela Associação de Familiares de Vitimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), os pais e familiares buscam recursos para conseguir se manter em Porto Alegre durante todos os dias do julgamento que, segundo a justiça, deve durar cerca de 14 dias. Diversos artistas, jogadores de futebol e músicos, fizeram vídeos pedindo doações para a vaquinha online.

O dinheiro doado, será usado para alimentação, hospedagem, higiene e transporte das famílias até Porto Alegre. Na tarde de hoje, um ônibus com cerca de 50 pessoas saiu de Santa Maria até a capital. Ansiosos por justiça e respostas das autoridades, os pais carregam fotos, vestem camiseta da AVTSM e buscam forças para aguentar a maratona do julgamento.

Segundo o Ministério Público Estadual, o júri popular deve durar pelo menos 14 dias. Amanhã, serão sorteados 7 jurados, que vão representar a comunidade no julgamento dos réus. Essas pessoas ficarão alienadas do mundo externo, sem acesso à internet, celulares ou qualquer outro tipo de comunicação. No último dia, os jurados decidirão a punição dos quatro réus do processo.

Em 2013, 28 pessoas foram indiciadas pela tragédia. Porém, o ministério público denunciou apenas os sócios da boate Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann,  o músico Marcelo de Jesus do Santos e o produtor cultural Luciano Bonilha.

Sobreviventes da tragédia alegaram que a casa estava superlotada, não havia saída de emergência, extintores de incêndio não funcionaram. Conforme as investigações do caso, a boate excedeu o limite de capacidade, não tinha plano contra incêndio e usou isolamento acústico inadequado. A espuma da esponja usada para proteção de ruídos não era a recomendada.