Obino

Atendentes de creche pedem equiparação salarial em São Sepé


 

Buscando equiparação salarial, representantes das atendentes das creches municipais reuniram-se na manhã de terça-feira, 3, na Câmara de Vereadores de São Sepé com o Prefeito Léo Girardello, agentes administrativos e vereadores.

O objetivo do encontro foi assegurar os mesmos direitos como os de professores e monitores de creche, dentre outras vantagens vigentes aos profissionais da educação básica, na qual, consideram que as atribuições de atendentes de creche são semelhantes às de professores da educação infantil.

O pedido das atendentes é de direitos iguais, como tratamento isonômico e política salarial, remuneração, gratificações e aposentadoria, além do reconhecimento de desvio da função. Também pedem a condenação do município ao pagamento das diferenças salariais decorrentes do desvio da função das atendentes de creche para a de professor de educação básica.

Segundo a representante das atendentes, Fernanda Lopes, as funcionárias realizam trabalhos além das responsabilidades que são atribuídas no concurso público. “Fizemos além do que é de nossa responsabilidade, pois temos qualificação como pedagogas”, explica Fernanda.

Já Jandira Couto falou sobre algumas cidades que também passaram pelo mesmo problema, no qual já foi resolvido. “Fizemos diversas pesquisas e achamos algumas cidades que conseguiram equiparação salarial entre as classes”, ressalta.

O Procurador Jurídico do Executivo Municipal, Claudio Adão Amaral de Souza, solicitou para que a classe das atendentes buscassem projetos de lei em outras cidades para contribuir na realização de um futuro estudo para atualizar o plano de carreira dos servidores municipais.

Para a secretária de Educação, Paula Machado, a gestão de capacidade sempre será executada, mas existe a gestão do concurso público.

Léo Girardello contribuiu explicando que a administração municipal deve andar correta. “Temos nossas falhas, mas buscamos sempre trabalhar corretamente. Não podemos extrapolar com os vencimentos dos nossos funcionários. Vamos dar uma olhada e ver qual é o impacto financeiro”, observa o prefeito.

Os procuradores jurídicos do Executivo e do Legislativo buscaram pareceres de órgãos competentes como das Delegações de Prefeituras Municipais (DPM) e do Instituto Gamma de Assessoria a Órgãos Públicos (IGAM), nos quais dizem que a única alternativa possível para a demanda das atententes seria através da realização de um novo concurso público para preenchimento de vagas de monitores de escola, no qual exige pedagogia.

Ao finalizar o encontro, o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Nunes, salientou que o legislativo irá intermediar entre a classe dos funcionários e a Prefeitura. O encontro foi proposto pela Mesa Diretora e pela Comissão de Educação e Cultura.

“Nós como Poder Legislativo estamos aqui para intermediar estes debates. Vamos buscar soluções e ajudar no que for melhor para todos. A Mesa Diretora e a Comissão de Educação e Cultura estão dispostas a ajudar”, finaliza Paulo Nunes.

 

 

Fonte: A.I. Câmara de São Sepé

 

 

Comments are closed.