Queime seus navios – Francisco Melgareco

0
180


 

Tempo de leitura: 3 minutos

 

“Todo homem medroso volte embarcado para casa”, disse o conquistador espanhol Hernán Cortés a seus soldados. Sua expedição acabava de chegar ao México e teria pela frente uma árdua batalha buscando a conquista do país. Não houve sequer uma manifestação de seu exército, porém Cortés ainda percebia a falta de convicção de seus comandados.

Observando o olhar titubeante de alguns deles em direção aos navios que os trouxeram até ali, Cortés decidiu então dar uma ordem que surpreendeu a todos: “Queimem os navios!”

A partir daquele momento não havia mais volta. Era vitória ou morte. O cenário era: a frente uma sangrenta batalha, atrás embarcações totalmente em chamas. E foi exatamente neste momento que Hernán Cortés consagrou sua conquista.

Não precisamos colocar nossa vida em jogo (muito menos invadir outros países) mas também é fundamental queimarmos os nossos navios. Fazer aquilo que precisa ser feito muitas vezes é difícil. Na primeira oportunidade que temos voltamos correndo para nossa zona de conforto. Precisamos achar formas de não ter como voltar, de ir em frente, mesmo com dor, medo e dúvida.

Precisamos fazer exercícios físicos para o bem de nossa saúde? Vamos lá e pagamos 6 meses adiantados de academia: navio queimado (Óbvio que ainda assim podemos preferir perder o dinheiro e seguir uma vida sedentária, mas é outra história). Quero me especializar em uma determinada área ou carreira? Então sem pensar muito, faço a inscrição do curso, compro a apostila, falo para todo mundo que farei. Assim a ponte que levava de volta vai ruir.

Quando surge um desafio, por mais que seja assustador, digamos sim. Nos comprometermos, darmos nossa palavra, assumirmos o compromisso, tudo isso é queima das nossas confortáveis poltronas de viagem para trás. Sempre será uma questão de escolha. Crescimento pessoal exige esforço, desconforto e coragem.

“O impossível é formado de pequenas partes possíveis.”

É preciso arriscar mais. Empreenda seu novo negócio. Exponha-se ao risco de não dar certo, submeta-se às críticas sabendo que elas muito em breve podem se tornar “tapinhas nas costas” e admiração daqueles que não acreditaram ser possível. Fracasso de verdade é não tentar, é fugir e aceitar o que vier sem ao menos sentir a possibilidade de um novo horizonte.

Cada navio queimado é uma corrente à menos. Abrir mão de experiências passadas, sejam boas ou ruins, para adquirir novas, cortar o vínculo com o ontem. Tudo isso possibilita que sejamos maiores.

Não precisamos esperar que nenhum “Hernán Cortés” faça por nós, somos os comandantes de nossas vidas. Precisamos muitas vezes trancar as portas pelas quais já passamos, e jogar a chave fora. Se for para cansar as pernas, que seja correndo para frente. Queime seus navios!

 

 

Texto: Francisco Melgareco

Arte: Agner Santos