Qual é o tamanho da sua frigideira? – Francisco Melgareco

0
256


 

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Numa ocasião um homem pescava num rio muito apreciado em face da fartura de cardumes. O primeiro peixe que pegou foi um tucunaré bem grande. Ele olhou para o peixe e logo o devolveu para o rio. Em seguida, pegou um tambaqui bem graúdo. Novamente, olhou para o peixe, mediu o tamanho e o devolveu para o rio. O terceiro peixe que capturou foi uma pequena tilápia. Ele olhou para ela com uma cara de satisfação e a colocou no cesto dentro do barco. Voltando a pescar, logo pegou outro peixe grande, o qual devolveu ao rio. Mais uma vez pegou um peixe pequeno e o colocou no cesto.

Vendo aquilo e não entendendo nada, outro pescador aproximou-se e perguntou ao homem: amigo, não consigo entender… Quando você pega um peixe grande, devolve para o rio. E quando pega um peixe pequenino, põe no cesto. Não deveria ser o contrário? O homem não demorou a responder: sabe o que é? Lá em casa a frigideira é bem pequena e nela não cabem esses peixões.

E então pergunto para você que está lendo: qual é o tamanho da sua frigideira? Será que não está se limitando por não acreditar em si, por ter um conceito ruim e pequeno em relação a sua capacidade?

Conheci essa história através do livro “O poder da ação”, do Paulo Vieira, e foi um grande aprendizado. A frigideira representa nossas metas. Metas pequenas jamais trarão grandes resultados. Somos o que pensamos, nossa mente se alimenta daquilo que cultivamos para ela. O medo do esforço, o vitimismo e as reclamações diárias são doenças que precisamos combater se quisermos ter uma vida abundante.

Quanto tempo você investe no seu desenvolvimento? Qual a desculpa conta para si mesmo diariamente para adiar as mudanças que precisa fazer para alcançar seus objetivos? Você tem objetivos afinal? Se quer aumentar sua frigideira, pague o preço. Corra atrás e acredite mais no poder dos seus pensamentos e ações.

Comece com uma frigideira média, um pouco maior do que a sua atual. Os 20 minutos de exercício que fizer hoje são melhores que aquela 1 hora que não fez ontem. As 5 páginas de livro que ler hoje, valem muito mais do que aquelas 30 páginas que planejou ler, mas faltou tempo. Aquele risco que assume correr hoje, te fará crescer muito mais do que aquela zona de conforto em que vive todos os dias.

Primeiro plantamos, depois colhemos, e essa lógica não pode ser invertida. Uma frigideira maior exige uma plantação de coragem, atitude e esforço diário. É também uma questão de escolha. O tempo passa, as horas, os dias, meses e anos. A vida não dirá qual é o melhor caminho, é nossa responsabilidade. Sejamos protagonistas de nossas vidas, ou podemos apenas ficarmos sentados na poltrona num dia de domingo, como diz “O Rappa”.

É preciso desejar não só o resultado, mas o processo, o caminho. Os melhores destinos passarão por estradas esburacadas, com pedras e obstáculos. Ninguém muda a vida na balada, ou tem alguma revolução pessoal positiva no carnaval. É na dificuldade que se cresce, nos momentos de dor que se aprende. É preciso acreditar no esforço, trabalho e dedicação. É preciso regar a plantação, podar as folhas secas.

Temos a cada dia que nasce uma nova oportunidade. Nos tornaremos tão grandes quanto nos permitirmos ser. Crescemos primeiro sonhando, depois acordando, planejando e, por fim, colocando em prática. Há várias formas de aumentar nossa frigideira, ou comprar uma nova, nem que para isso, façamos parcelado no cartão de crédito. Como disse Leonard Cohen: “em todas as coisas há uma fenda, um buraco, e é por ali que a luz entra”. Qual é o tamanho da sua frigideira?

 

Texto: Francisco Melgareco

Arte: Agner Santos