Cavalgada é interrompida após fiscais constatarem irregularidades


 

Um grupo cavalarianos precisou interromper uma cavalgada que faria a busca da chama crioula, em São Sepé, para eventos farroupilhas. O caso aconteceu na última sexta-feira.

A Inspetoria de Defesa Agropecuária (IDA) de Santa Maria recebeu a denúncia de que estaria acontecendo uma cavalgada saindo de Santa Maria  em direção à São Sepé para buscar a chama crioula.

Uma equipe das IDA, com apoio policial, abordou o grupo nas proximidades da Vila Block. Eles constataram que não havia sido feita  solicitação para o  evento na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), bem como não foi realizada solicitação para as prefeituras, em função dos protocolos para realização de eventos em período de pandemia.

Além disso, nenhum dos animais participantes tinha Guia de Trânsito Animal (GTA) ou exames válidos de anemia e mormo.  Os promotores do evento foram autuados e, após o descanso dos animais, foi determinado o retorno à origem.

Conforme o fiscal agropecuário Rômulo A. Depner, essas ações acontecem para garantir a sanidade do rebanho equino e a saúde da população, especialmente em período de pandemia, onde ainda é necessário cumprir  um protocolo para realização de eventos. “Não existe impedimento legal para esses eventos, desde que haja solicitação prévia e sejam cumpridas as normas tanto do protocolo para a Covid 19, quanto para as exigências da legislação de sanidade animal”, explica.

 

 

 

Comments are closed.