Casos de dengue estão acima do esperado no RS

0
225
Foto: Gabriel Haesbaert/arquivo Diário

 


 

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) emitiu nesta semana um comunicado de risco sobre o aumento do número de casos notificados de dengue, que está acima do esperado para a época do ano em que se inicia a sazonalidade da doença. Nas últimas semanas, foi observado um aumento de casos notificados que supera em 11,4 vezes a média móvel na semana epidemiológica 49, quando comparado com o número de casos da série histórica, afirma Roberta Vanacôr Lenhardt, especialista em saúde do Cevs. Em 2022, a semana epidemiológica 49 foi entre os dias 4 a 10 de dezembro.

Desde o começo de 2022, o Rio Grande do Sul notificou 98.916 casos suspeitos e confirmou 66.731 casos de dengue e 66 óbitos pela doença. O mosquito Aedes aegypti está presente em 91% das cidades gaúchas, totalizando 453 municípios infestados.

A nota tem por objetivo alertar os gestores municipais a intensificarem as ações de vigilância e controle do Aedes aegypti, aos profissionais de saúde quanto ao diagnóstico e atendimento em tempo oportuno da doença e a população em geral quanto aos cuidados preventivos e medidas individuais de proteção.

 

• Quais os sintomas da dengue?

Febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, dor atrás dos olhos, manchas vermelhas no corpo, vômitos, diarreia e náuseas.

• O que fazer no surgimento de sintomas?

Procurar atendimento de saúde;

Evitar automedicação, mas se necessário medicar-se antes de procurar atendimento de saúde, optar pelos analgésicos simples: paracetamol e dipirona;
Não utilizar anti-inflamatórios (naproxeno, ibuprofeno, diclofenaco, piroxicam, nimesulida).

Medidas individuais de proteção:

Utilizar repelente para o corpo. Se você está com suspeita ou é um caso confirmado de dengue, assim você evita que os mosquitos sejam infectados e contaminem mais pessoas. Se você não tem a doença, você se protege;
Utilizar repelente de ambiente;
Utilizar roupa que proteja braços, pernas e pés;
Usar mosquiteiro, em especial em pessoas acamadas e/ou crianças;
Instalar telas nas portas e janelas das casas.

Como interromper o ciclo de vida do mosquito?

Revisar a área em torno da residência ou local de trabalho uma vez por semana, procurando possíveis criadouros e eliminando-os;
Descartar adequadamente resíduos sólidos inservíveis que possam acumular água (potes, latas, garrafas, pneus, entre outros), destinando à coleta seletiva ou entregando em recicladoras;

Jogar fora na terra ou em superfície seca a água acumulada dos potes: não jogar a água em outro local com água, pois o ciclo de vida continuará;

Lavar com esponja, água e sabão, ao menos uma vez por semana, os potes que não podem ser colocados fora;

Preencher pratos de plantas com terra;

Garantir que caixas d’água ou cisternas de armazenamento estejam bem fechadas;
Cobrir possíveis saídas (ladrão) de caixas d’água ou cisternas com tela ou meia de nylon;

Usar mosquiteiro, em especial em pessoas acamadas e/ou crianças;

Utilizar repelentes (individuais ou elétricos);

Eliminar mosquitos adultos (de dentro de casa ou entorno da residência) utilizando métodos domésticos (raquetes elétricas, inseticidas aerossóis para mosquitos etc).