Vereadores reclamam da situação das estradas do interior de São Sepé

ppci - resfria - popular


marco filipini e luciano nágera estrada são rafael

Foto: Camila Gonçalves

Os vereadores Marco Filipini (PMDB) e Luciano Nágera (PTB) estiveram visitando o Corredor dos Cancian na última semana. Ambos vêm reclamando da atuação da Secretaria de Obras do município nas estradas do interior e bairros. Na oportunidade os parlamentares conversaram com uma das famílias que produzem soja e trabalham com pecuária na localidade de São Rafael.

Marcos Ruviaro Vizotto, de 46 anos, e seu pai Macemino Vizotto, de 71 anos, contaram que a localidade vem sofrendo com a falta de ações do Poder Público desde outras gestões. Segundo eles, a atual administração tirou pouco a pouco o cascalho presente nas estradas e o trabalho de uma draga que foi fazer um açude para a produção de peixes em uma propriedade vizinha quebrou a ponte que eles usavam para atravessar a produção. A via ainda é a única que dá trânsito para o maquinário da família, que tem propriedades no Boqueirão e no Cerrito do Ouro.

Ao todo os Vizotto possuem 260 hectares de produção agrícola e pecuária em São Sepé. “Esta família tem 80 hectares em São Rafael, 80 hectares no Boqueirão e 100 hectares no Cerrito do Ouro. Não é possível que não consigam transitar de uma propriedade para outra por falta de iniciativa do Poder Público para um fim que vai gerar renda ao próprio município”, diz Filipini.

Macemino diz que perdeu as contas de quantas vezes teve que fazer reparos nas estradas por conta própria: “Botaram cascalho esses tempos porque reclamaram lá no Posto (Pillon, que fica nas imediações). Eles não querem entrar com a patrola aqui porque a estrada é estreita. Nós temos que carregar a produção com muito trabalho. Levamos até a ponte, usamos o graneleiro para despejar os grãos na carreta porque a carreta não vem até aqui. Há pouco precisei de um adubo e veio no reboque”, reclama. Segundo ele, nas condições em que a ponte está é possível transportar meia carga da produção, mas ainda assim é perigoso.

Filipini e Nágera ainda visitaram a continuação da Rua Osvaldo Aranha no Bairro São Cristóvão, que dá acesso à BR 392. Na estrada, que é estreita, um dos trechos representa perigo por conta de um buraco onde fica uma tubulação descoberta e sem sinalização. De acordo com eles será feita uma reunião com o prefeito municipal, Léo Girardello, a fim de falar dos problemas constatados e tentar encontrar soluções para o problema.

 

 

Fonte: Câmara de Vereadores

 

 

Guilherme Motta