Templo de umbanda de São Sepé doa alimentos a entidade que trata dependentes químicos


Foto: divulgação

O templo escola de umbanda Reino de Ogum Megê e Iansã do Balê, de São Sepé, com apoio do templo escola de umbanda União da Luz (ULTEU) de Caçapava do Sul, realizou nesta quarta-feira, 31, a entrega de alimentos à Fazenda Reconquistar, de Caçapava.

A entidade trabalha com a recuperação de dependentes químicos e presta um relevante trabalho social na comunidade caçapavana. Segundo Marcus de Siqueira, do templo de São Sepé, por orientação espiritual foi feita arrecadação de alimentos não perecíveis nos templos de ambas as cidades.

Após conquistarem um número suficiente de donativos, o grupo foi até a Fazenda Reconquistar fazer a entrega dos alimentos. O local atende cerca de 30 dependentes químicos e atende pacientes de Caçapava e outros municípios do RS.

“É um trabalho muito lindo. Eles possuem um sítio com 3,5 hectares e oferecem tratamento gratuito aos dependentes químicos”, conta.

Chegando no local o grupo pertencente a ambos os templos se surpreendeu com a quantidade de alimentos que a Fazenda Reconquistar havia arrecadado. Siqueira conta que todos os alimentos são ensacados e diante do que sobra tudo é doado para a comunidade carente do município. “Além de eles se manterem, eles recebem doações e passam adiante aquilo que sobra e toda semana fazem essas doações para bairros pobres de Caçapava”, explica.

Após a entrega dos alimentos, ocorreu um momento de religiosidade no local, ou seja, umbandistas e evangélicos fizeram uma interação no local. “O nosso planeta tem uma diversidade de formas, línguas e formas de pensamento. É tolo achar que uma religião é detentora da verdade. Creio que falando em religião, cada uma tem a sua verdade e nem sempre a sua verdade é igual a verdade do outro. Conseguimos falar da umbanda para a comunidade evangélica do local e fazer essa interação. O intuito é um auxiliar o outro. Independente de cada um pensar e entender Deus da sua forma, acho que o objetivo maior é todos estarem unidos num mesmo propósito. Isso que nos faz sermos pessoas do bem e sermos pessoas religiosas”, destaca.