Lava Jato pede indenização bilionária ao PP

Reprodução.

A Operação Lava Jato deflagrada em 2014, tem posto a política brasileira a limpo. Nesta quinta-feira, a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) pediu a abertura de ação de improbidade administrativa e indenizações para 10 políticos ligados ao Partido Progressista (PP).

O Juiz Sérgio Moro encaminhou o pedido por danos morais e impropriedade a 13ª Vara Federal de Curitiba. Os ex-deputados federais Pedro Corrêa (PE), Pedro Henry (MT), João Pizzolatti (SC) e Mário Negromonte (BA), e os deputados federais Nelson Meurer (PR), Mário Negromonte Júnior (BA) e Arthur Lira (AL), estão na lista de pessoas que receberam dinheiro indevido da Lava Jato.

O deputado gaúcho denunciado pelo Ministério Público Federal, José Otávio Germano, é único deputado do Rio Grande do Sul na lista que pede indenização do Partido Progressista. Germano terá de pagar cerca de R$ 2,9 milhões por propina recebida, multa de R$ 8,9 milhões e indenização por dano moral de R$ 2,9 milhões.

No total, as ações — civil pública e de improbidade — solicitam o pagamento de mais de R$ 2 bilhões, perda de cargos dos deputados, suspensão de direitos políticos e perda dos direitos de aposentadoria. A ação de improbidade requisitada pelo MPF alega que todos eles tiveram enriquecimento ilícito, pautado por dano ao erário público.

Os deputados do PP são denunciados em dois esquemas de desvios na Petrobras. Um na Diretoria de Abastecimento, que era comandada por um indicado pelo PP, Paulo Roberto Costa. O outro, vinculado a contratos com a Braskem, empresa do grupo Odebrecht. As ações judiciais estão embasadas em delações feitas por Costa e por dirigentes da Odebrecht.

Fonte: Rádio Gaúcha.