Hospital Regional tem previsão para inauguração em abril


 

Foto: reprodução

Ao contrário do que foi dito pelo secretário de Saúde do Estado, João Gabbardo dos Reis, no dia 19 de janeiro, em visita a Santa Maria, a assinatura do contrato e do convênio para a abertura do Hospital Regional, que ocorreria em 30 ou 40 dias, não se concretizou. O prazo dado para o ato seria na terça-feira, 27 de fevereiro.

A novidade é que o secretário adjunto da pasta, Francisco Paz, revelou que o complexo deve abrir no final de abril. Segundo ele, nesses 40 dias, foram feitas reuniões entre o Estado e o Instituto de Cardiologia – Fundação Universitária de Cardiologia, que fará a gestão do Regional, para tratar sobre a elaboração do documento, que, segundo ele, está em fase final. A reportagem é do jornal Diário de Santa Maria.

“Um contrato dessa natureza é um documento muito extenso e complexo, pois tem aspectos de competência, de responsabilidade, de atribuições, assim como tem também aspectos técnicos do Plano Operativo de funcionamento do serviço. Tudo isso repercute na elaboração do documento. É isso que estamos discutindo, questões técnicas, jurídicas e administrativas para compor o convênio. Estamos tratando de algo novo, de uma situação complexa que vai ter o seu próprio tempo. Estamos nas discussões finais para a assinatura, conforme as orientações da Procuradoria-Geral do Estado, nós vamos fazer em um documento que vai englobar as duas questões. Como é uma situação nova, estamos gastando um pouco mais de tempo para conciliar as duas questões dentro do mesmo documento”, explica Paz.

Ainda conforme o secretário adjunto de Saúde, não há uma data exata para a assinatura do termo, mas a ideia é que a abertura, pelo menos do ambulatório, ocorra no final do mês de abril. Até lá, o contrato precisa ser assinado entre o Estado e o Instituto de Cardiologia.

O Estado alega também que, nesse período, foram feitas reuniões entre as equipes da Secretaria Estadual de Saúde, do Instituto de Cardiologia _ Fundação Universitária de Cardiologia, da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde (4ª CRS) e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que foram designadas para cuidar dos assuntos referentes ao ambulatório, primeiro setor que deve começar a funcionar assim que o complexo abrir. Conforme o titular da 4ª CRS, Roberto Schorn, o grupo esteve reunido em Porto Alegre nesta terça e quarta-feira para tratar de questões técnicas e internas. Seis profissionais de Santa Maria foram à Capital.

“A Coordenadoria está se preparando para fazer frente a essa nova demanda. Nós vamos ser os olhos do Estado em Santa Maria. Nosso trabalho, na cidade, está voltado para a regulação e coordenação dos municípios com relação ao Hospital Regional. Vamos coordenar a entrada dos pacientes no hospital. Conforme a Regulação Estadual, vai ter uma lista única, e é nisso que estamos trabalhando”, ressalta Schorn.

Técnicos da prefeitura de Santa Maria fizeram um levantamento do que deve ser feito no prédio antes de abrir o complexo. Um orçamento da pequena reforma foi elaborado, e gira em torno de R$ 50 mil. O documento foi entregue ao secretário Estadual de Saúde, João Gabbardo dos Reis, no dia 31 de janeiro. Conforme o prefeito Jorge Pozzobom, a reforma ainda não começou porque é preciso a autorização do Estado.

“No documento, eu mostrei o que é preciso fazer. E perguntei: é só isso ou tem mais coisas? No momento que eles me derem a autorização, eu imediatamente começo a reforma, que não leva 30 dias para ser concluída. São pequenos reparos, como gesso que caiu, calha que entupiu, vidro que quebrou, não é nada de complexo”, afirma Pozzobom.

Engenheiros e arquitetos da Secretaria Estadual de Saúde e da Fundação Universitária de Cardiologia também estiveram no local fazendo uma visita técnica a pedido do governo do Estado. A vistoria no hospital foi para tratar dos pequenos reparos necessários em decorrência do último temporal que atingiu a cidade, em outubro de 2017, e que danificou algumas estruturas da instituição.

 

 

Fonte: Diário de Santa Maria