Obino

Grupo empresarial é investigado em operação da PF


Foto: Polícia Federal / reprodução

 

A Polícia Federal (PF) de Santa Maria, com o apoio da Receita Federal, deflagrou na manhã desta quarta-feira a Operação Caementa, que investiga um grupo empresarial (o nome não foi revelado) estabelecido em Santa Maria suspeito de cometer crimes de lavagem de dinheiro, fraudes e corrupção. O grupo seria responsáveis por controlar 14 empresas que atuam no segmento de produção de concreto, extração e comércio de areia e pedra. A reportagem é do Diário de Santa Maria.

A operação ainda está em andamento e cumpre 37 mandados de busca e apreensão e oito mandados de prisão em Santa Maria, Porto Alegre, Bagé, Carazinho, Caxias do Sul, Frederico Westphalen, Garibaldi, Maquiné, Panambi, Passo Fundo, Rosário do Sul, São Sebastião do Caí, Três de Maio e em Camboriú (SC), cidades onde o grupo teria negócios.

O inquérito policial aponta que os investigados teriam sonegado tributos e contribuições sociais, desviado patrimônio das suas empresas endividadas e que se encontram em recuperação judicial, e ocultado os crimes por meio da criação de empreendimentos de fachada. Estima-se que o esquema tenha movimentado mais de R$ 180 milhões.

Até agora, foram apreendido, na residência de um dos principais investigados, R$ 150 mil e U$ 20 mil (cerca de R$ 75 mil reais na cotação de hoje).

Às 10h desta manhã, a PF fará uma coletiva de imprensa, onde deve dar detalhes da operação.

 

 


CAEMENTA
O nome da operação é uma referência ao termo latino caementa, que significa pedras pequenas.

 

Fonte: Diário de Santa Maria