Obino

Confusão entre taxistas e clandestinos reabre debate em São Sepé


 

 

A divergência entre taxistas e motoristas que realizam transporte clandestino de passageiros segue causando problemas em São Sepé. Um grupo que representa a classe taxista voltou a pressionar os órgãos públicos após um episódio na última terça-feira, 7, quando dois homens discutiram na Praça das Mercês.

Segundo populares, o condutor de um carro particular teve a chave do veículo retirada por um taxista. Houve troca de ofensas e um dos motoristas teria até mesmo mostrado uma faca durante a discussão. Um veículo não identificado como táxi permaneceu abandonado por cerca de 30 minutos na faixa de circulação.

O caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil por ambas as partes. No centro da discussão está o uso de veículos clandestinos que geralmente cobram preços mais baixos pelo serviço.

 


Taxistas dizem que cumprem regras

O grupo alega que preenche uma série de requisitos, além de possuir licença legal para o exercício da profissão. Em contraponto, o serviço tem sido oferecido por diversos motoristas particulares sem regulamentação, conforme afirmam os taxistas.

O valor mínimo alcançado pelos táxis é de R$ 8,00 sendo o preço já defasado segundo os motoristas profissionais. “Oferecemos carros em boas condições, temos diversos gastos para exercer a profissão corretamente, inclusive, dando amparo para os passageiros caso haja algum problema ou acidente”, disse um taxista durante entrevista ao Programa Espaço Livre, da Rádio Cotrisel.

 


Prefeitura faz campanha, mas diz que tem dificuldade na fiscalização

De acordo com a Prefeitura de São Sepé, campanhas tem sido veiculadas para que a população utilize os serviços de táxis legalizados. O poder público alega dificuldade no flagrante de motoristas particulares devido a fragilidade das provas. Órgãos como  Brigada Militar e até mesmo o Ministério Público já realizaram encontros para debater a questão.

Não está descartado que nos próximos dias uma nova reunião aborde o assunto.