Obino

Com dois casos suspeitos de chikungunya, São Sepé tem infestação de larvas do aedes aegypti


Com dois casos suspeitos de chikungunya e um dos maiores números da região no levantamento de índice rápido (LIRA), São Sepé está com o sinal vermelho aceso para o combate ao mosquito aedes aegypti, transmissor desta e de outras doenças como a dengue e o zika vírus.

Os dados replicados pelo setor de Vigilância Ambiental em Saúde mostram que sem ajuda da população o combate será ineficaz. Em uma escala onde quanto maior o número mais grave é a situação, o município sepeense que já teve um número próximo de zero, em um dos levantamentos de 2017, agora tem 6,80% de índice. Os dados tem preocupado os profissionais ligados à Secretaria de Saúde.

Dos dois pacientes com suspeita, um deles permanece no município enquanto outro foi encaminhado para Santa Maria. A coordenadora Cláudia Santos explica que após a identificação membros da vigilância vão até a residência do paciente e no local de trabalho. A partir do ponto, é feito uma vistoria em um raio de 300 metros.

Na região central do RS, o indicativo é de que o índice é o segundo mais alto, mas ainda se aguarda os números dos demais municípios vinculados a 4ª Coordenadoria Regional de Saúde. Durante a semana, foi realizada aplicação de larvicidas em diversos pontos.

 


MÉTODOS DE PREVENÇÃO

– Se você colocou areia e acumulou água no pratinho de planta, lavá-lo com escova, água e sabão. Fazer isso uma vez por semana;

– Lavar principalmente por dentro com escova e sabão os utensílios usados para guardar água em casa, como jarras, garrafas, potes, baldes e etc;

– Embale para recolhimento todas as garrafas pet e de vidro vazias que não for usar. As garrafas de vidro não descartadas devem ser guardadas de boca para baixo ou em local coberto;

– Se você tiver vasos de plantas aquáticas, trocar a água e lavar principalmente por dentro com escova, água e sabão pelo menos uma vez por semana;

– Jogar no lixo todo objeto que possa acumular água, como embalagens usadas, potes, latas, copos, garrafas vazias etc;

– Remover folhas, ganhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas;

– Manter a caixa d’água sempre fechada com tampas adequadas;

– Colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira bem fechada. Não jogar em terreno baldio;

– Não deixar a água da chuva acumulada;

– Manter bem tampados tonéis e barris de água;

– Encher de areia até a borda os pratinhos de vasos de plantas;

– Entregue os pneus mais velhos aos serviços de limpeza urbana. Caso realmente precise mantê-los, guarde-os em local coberto;

– Manter os sacos de lixo bem fechado e fora do alcance de animais até o recolhimento pelo serviço de limpeza urbana;

– Lavar semanalmente por dentro com escova e sabão os tanques utilizados para armazenar água.

 

 

Fonte: A.I. Prefeitura de São Sepé