Obino

Associação dos Transportadores sugere “retirada” de cobradores de ônibus em Santa Maria


Foto: Renan Mattos (Diário)

 

Sete dias depois de pedir a revisão da planilha de custos do transporte público, a Associação dos Transportadores Urbanos (ATU), composta por seis empresas de ônibus, sugeriu o fim da função de cobrador nos ônibus. Segundo o diretor de Assuntos de Comunicação da ATU, Edmilson Gabardo, a proposta tem o intuito de reduzir o valor da tarifa e acabar com uma profissão “que já não existe mais”. A reportagem é do Diário de Santa Maria.

Conforme Gabardo, sem os cobradores – que são cerca de 350 profissionais, atualmente -, a passagem poderia ser reduzida entre 10% a 12%. Com base no valor atual, que é de R$ 3,90, a tarifa poderia ficar entre R$ 3,40 e R$ 3,50. O diretor da ATU conta que o dos R$ 3,90 que cada usuário paga, R$ 0,40 são destinados para os salários dos cobradores, que, de acordo com ele, recebem cerca de R$ 2 mil (com benefícios). Ele conta também que cerca de R$ 1,30 da passagem é cobrado dos usuários para quitar as gratuidades e meias passagens ofertadas em Santa Maria.

 


ATU protocola pedido de reajuste da tarifa do transporte coletivo

Sobre considerar a função obsoleta, Gabardo diz que é a evolução, já que o sistema de cartão eletrônico foi instalado em toda a frota da cidade. Ele salienta que poucas cidades no mundo ainda utilizam este tipo de profissional, porque os sistemas de cobrança do transporte público estão mais modernos.

– Isso faz parte de evoluir, algumas profissões vão deixar de existir, assim como outras deixaram de existir no passado. A passagem vai ser paga no cartão eletrônico e os motoristas poderão receber de quem paga no dinheiro, ou, não sei, estamos em negociações – diz o diretor.

 


O QUE DIZ O SINDICATO

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Condutores de Veículos Rodoviários (Sitracover), Rogério Santos da Costa, diz que a categoria não aceitou a proposta e vai lutar contra o fim da função de cobrador.

– Serão 350 pessoas desempregadas, desamparadas. Sem falar que o cobrador é quem cuida da parte interna do ônibus enquanto o motorista cuida do trânsito. Se for aceita (a proposta), o motorista vai ter que exercer as duas funções? – questiona Costa.

Como alternativa, o presidente sugere a isenção de impostos para as empresas de ônibus, o que reduziria os custos com combustível e outros insumos da manutenção dos veículos.

Atualmente, as seis empresas têm cerca de 220 veículos na frota e empregam, juntas, aproximadamente 1,1 mil funcionários.

 


DECISÃO SOBRE FUTURO DA PROFISSÃO SERÁ DO PREFEITO

O secretário de Mobilidade Urbana, João Ricardo Vargas, diz que não recebeu a proposta sobre fim dos cobradores oficialmente da ATU e que os técnicos da prefeitura trabalham na revisão da tabela de custos. Contudo, afirma que se o fim da profissão de cobrador for aprovado, vai impactar diretamente no cálculo da planilha, bem como na taxa de desemprego do município. Contudo, Vargas afirma que depois da negociação entre categoria e associação, quem poderia assinar e aprovar a extinção dos cobradores é o prefeito.

O titular da pasta diz que se preocupa com a situação dos profissionais, bem como o aumento do desemprego na cidade. Porém, avalia que, se for ocorrer, vai propor que o desligamento dos cobradores seja de forma gradual para que os trabalhadores tenham chance de procurar outro emprego antes de serem oficialmente demitidos.

O Diário tentou contato com o prefeito, Jorge Pozzobom, mas ele está em férias. O telefone do prefeito em exercício, Sergio Cechin, estava desligado, e a Superintendência de Comunicação confirmou que, por estar em férias, o prefeito Pozzobom não poderia falar agora sobre o assunto.

Gabardo diz que o fim da função de cobrador não significa, necessariamente, a demissão dos 350 profissionais, pois estes poderão ser realocados nas empresas. Ele diz que, com certeza, nem todos os trabalhadores deverão se adaptar em outras áreas, mas destaca que muitos motoristas de transporte coletivo já foram cobradores.

 

 

Fonte: Diário de Santa Maria