Obino

As energias me perseguem – Handrey Lima


 

Eu queria saber lidar com as energias, o porquê que me detêm
Deixam-me tão transtornado, que me tiram do além

Queria poder entender, por que se encaixam em mim
Mas, talvez se compreender, sairiam de mim?

Não leio, não escrevo, muito pelo contrário, carrego em mim uma arte, que não se encontra nem no dicionário
No final, isso pode parecer loucura
Mas a caneta e o papel, que me dão essa pequena cura

Um dia talvez eu entenda, o que nela esteja escrito
Que meu verso e mensagem, por alguma pessoa seja compreendido
Se não for, tudo bem, sigo minha pequena doença
Longe de ideologia, vício, ou alguma crença

Mas assim vou com a tentação em cima de uma pequena voz
Que o cadarço da minha vida, não se prenda em pequenos nós
Serei lembrado, talvez de uma forma cruel e, de certo modo, feita de euforia
Que o toque de minhas palavras possa transbordar energias

Mil manifestos, ansiedades, alucinações irreais
Dores, angústias, sentimentos irracionais
Pássaros me guiam como o vento guia a tempestade
Já andei por um fio, mas não caí na maldade

Que dias de tardes nubladas modifiquem as nuvens em forma de paisagem
Que eu tenha o espírito do Sabot, e siga com fé e coragem

Pois..
Detesto o meu ego, nele percebo meu lado ruim que, por inúmeras vezes, quase me levou ao fim
Mas que a palavra seja levada, como uma devoção de Bonfim
E que, se eu conhecer algum Deus, que Ele me diga, o que realmente queria de mim.

 

 

Handrey Lima