Após almoçar, mulher sai de restaurante no centro de São Sepé sem pagar

cabecalho-okk


Uma mulher foi até um restaurante localizado no centro de São Sepé para almoçar no final da manhã da última terça-feira, 29. Até aí tudo bem. De acordo com a proprietária do Restaurante Tropical, Orfila Coradini, uma senhora chegou no estabelecimento por volta do meio-dia, mas depois deixou o local sem pagar a conta.

Por meio de uma rede social, Orfila contou que a senhora que vestia camiseta branca, bermuda marinho e chinelos Havaiana “almoçou muito bem” e pediu refrigerante. “Ela foi bem atendida como é de costume tratar bem nossos fregueses. Conversei com ela, disse que morava em Tupanci e aguardava o marido para ir embora”, relata.

A proprietária do restaurante foi surpreendida quando a senhora então trocou de mesa e depois de ler um jornal foi até a porta de entrada do estabelecimento, saindo rápido sem pagar a conta. Orfila disse que questionou o garçom se a mulher teria pago e o funcionário informou que não.

“Peguei o carro para ir para casa e encontrei ela na frente da floricultura, chamei e disse que não havia pago a despesa. Ela concordou e foi até o orelhão ligar para o marido, fingia que falava e eu dentro do carro assistindo. Pedi a ela o número do marido para ligar e ela não deu e seguiu (…) e eu monitorando”, relata a proprietária do restaurante.

Orfila disse que entrou em contato com a Brigada Militar para explicar o caso. Um policial teria informado que não poderia ser feito nada contra a mulher, pois não era um caso de flagrante, mas a proprietária do restaurante poderia registrar ocorrência. Orfila conta que queria a presença da Brigada Militar no estabelecimento para solicitar documentos e fizesse a abordagem da senhora que saiu do local sem pagar.

“Que fique bem claro. Nada contra a Brigada, acho que até fazem muito pela nossa cidade. São as leis que não dão suporte e para tudo tem limites”, salienta.

Na opinião da proprietária do restaurante é preciso colocar um basta nesta situação. “Vamos ficar atentos ao que anda acontecendo em nossa cidade”, conclui. Ela desconfia que a mulher que saiu do restaurante sem pagar seja a mesma que na semana passada estaria praticando furtos em estabelecimentos comerciais no centro da cidade. A proprietária do estabelecimento conta que a cliente seguiu em direção à Avenida Getúlio Vargas e depois não foi localizada.

 

O que diz a Polícia Civil?

Segundo o delegado João Gabriel Parmeggiani Pes, titular da Delegacia de Polícia Civil de São Sepé, o crime é de menor potencial ofensivo. “A princípio, sem saber os detalhes do caso concreto, vejo que poderia se caracterizar como crime previsto no artigo 176 do Código Penal (chamado de Outras Fraudes), crime de menor potencial ofensivo, para o qual não cabe prisão em flagrante. Além disso, somente se procede mediante representação da vítima, que poderia optar por não processar o acusado.

 

 

rodape-1