A insegurança avança no interior, por Marcelo Luiz Schreinert

 


A grave crise da segurança no Rio Grande do Sul fez do medo um personagem permanente na vida dos gaúchos. Os delitos se multiplicaram, enquanto a estrutura dos aparatos estatais mostra-se insuficiente para dar qualquer resposta à violência. A escalada da criminalidade exige ações fortes e planejadas, que devolvam a tranquilidade à população.

O deslocamento de 400 brigadianos do interior para reforçar a Região Metropolitana agravou a situação dos pequenos municípios, já carentes de segurança. Um estudo da Famurs mostra que 60% das cidades gaúchas têm menos de dois policiais militares por turno. Além disso, 10% têm até dois PMs no efetivo total.

Como consequência, a violência se espalha pelo interior. Um crime recorrente é o ataque a agências bancárias: edificações são implodidas pelos bandidos, que usam cidadãos como escudo humano para fugir da polícia. Pelo menos dez ações do gênero já ocorreram somente em 2017. E delitos menores muitas vezes sequer são registrados, pois também faltam escrivães para essa tarefa. Isso gera subnotificação e uma crescente sensação de impunidade.

Os municípios buscam colaborar, apesar da segurança ser responsabilidade do Estado. Oferecemos auxílio moradia, hora extra, apoio com videomonitoramento, conserto de viaturas, aluguel de espaço físico e subsídios para custeio de combustível. Recentemente, municípios custearam até curso de formação para novos brigadianos atuarem no interior. Mas isso pouco adianta sem atitudes concretas do Governo Estadual. As comunidades estão desanimadas.

A Famurs entende que outras medidas devem ser adotadas pelo Executivo. Devolver às ruas os PMs que estão cedidos a outros órgãos. Criar incentivos para evitar a aposentadoria precoce. Reforçar o número de brigadianos nas pequenas cidades, inclusive com policiais temporários. E mais valorização das ações complementares promovidas pelas comunidades.

A população de mais de 450 municípios também vive diariamente o medo de sair de casa sem saber se voltará depois. Precisamos de iniciativas que tragam de volta a tranquilidade aos gaúchos, e não que causem mais desamparo a quem já sofre com a insegurança.

 

Marcelo Luiz Schreinert

1º Vice-presidente da Famurs e ex-prefeito de São Jerônimo